Blog do Roberto Ventura

Jornalista, radialista, Pós-Graduado em Assessoria de Comunicação  e Marketing, Comentarista e Analista Político da Rádio AG em FM.

Por: Roberto Ventura

Uma belíssima viagem para ficar guardada em nossa memória

Alagoanos em visita a Chapada Diamantina

Uma viagem fantástica que começou na tarde da última quarta-feira (9), por voltadas 16h, quando deixamos a cidade de Messias com destino a cidade de Lençóis na Chapada Diamantina, distante 439 km da cidade de Salvador, na Bahia, considerada o décimo ponto turístico mais visitado no Brasil.

Trinta e cinco pessoas entre homens, mulheres e crianças faziam parte da excursão. A T4 Turismo que tem como titular a guia Tatiane Rego, tem se notabilizado por sua competência, credibilidade e zelo do bem estar daqueles que viajam sob sua responsabilidade. Tatiana já organizou viagens por diversas capitais do nordeste e sul do país. E, como sempre, ela checa todos os detalhes, onde sua preocupação maior é com a segurança, conforto e, sobretudo, satisfazer os desejos dos turistas.

Ao chegarmos à cidade de Propriá no Estado de Sergipe, fizemos uma parada para um café. Após trinta minutos seguimos viagem onde percorremos vários quilômetros até chegar à cidade de Feira de Santana, na Bahia. Depois de um merecido descanso, partimos em direção a tão sonhada Chapada Diamantina.

Nossa primeira visita foi ao Poço Azul, uma das atrações da localidade. Para chegar ao local tivemos que enfrentar oito quilômetros de estrada de barro, mas valeu a pena todo esforço, porque o Poço Azul é um dos mais bonitos deste Brasil, uma maravilha que só Deus tem o poder de nos proporcionar.

Depois de um gostoso café da manhã, com comidas típicas da região, fomos dar um mergulho nas águas da Gruta do Poço Azul, onde descemos oitenta e sete degraus para ter acesso ao poço, depois, seguimos ao nosso destino final: a cidade de Lençóis.

De imediato percebemos que Lençóis tinha algumas características e semelhanças das cidades de Marechal Deodoro e do bairro e Fernão Velho em Maceió. Com seus casarões, ruas, vilas, estradas ao estilo ainda do período imperial. A ansiedade tomava conta de todos, afinal de contas, conhecer a Chapada era o sonho dos que ali estavam.

Chegamos por volta das 13h, almoçamos e seguimos direto para o Hotel Terra dos Diamantes, onde ficamos hospedados durante os três dias de nossa estadia. De imediato, fomos orientados pelos guias Márcio Ribeiro e Marcelo Ribeiro, - conhecedores profundos da região -, a colocar roupas apropriadas para trilhas, afinal de contas, a caminhada era longa e, como previsto, durou cerca de duas horas.

Seguimos com nossos guias em direção a Serrana, localizada a 200 metros de onde estávamos hospedados. Serrana possui vários atrativos, tais como o Salão das Areais Coloridas, Piscina Natural, Poço Haley, Cachoeira da Primavera, Cachoeirinha, Cavernas, Rochas e o Mirante da cidade. Neste local, tomamos um belo banho nas águas geladas da famosa Cachoeira da Primavera. Como detalhe, as pedras e areias de Serrana serviram de palco de cenas da novela global Pedra sobre Pedra.

Ao visitar Serrana é preciso ficar atento e ter muito cuidado, porque trata-se de um verdadeiro labirinto, que de acordo com nossos guias, vários turistas costumam se perder e ficar pelo caminho, nesse caso, os guias são acionados e os visitantes são encontrados e conduzidos até o restante do grupo.

Ao meio dia partimos em direção a Cachoeira do Mosquito, uma paisagem exuberante, um lugar afrodisíaco onde centenas de turistas de várias partes do Brasil e do exterior tentavam se acomodar para pegar o melhor ângulo e tirar fotos. Turistas se misturavam a todo instante, porque lá não há distinção de onde eram ou a qual cidade ou nacionalidade pertenciam, o que todos queriam era curtir e reverenciar a linda paisagem e as águas frias da Cachoeira.

Voltamos ao restaurante Serra da Cravada, no complexo turístico da Fazenda Santo Antônio, que fica distante seis quilômetros da Cachoeira, de onde partimos direto para ao Rio Mucugezinho. Nesse local, uma linda cachoeira forma um pequeno lago onde as pessoas se banham a vontade.

Já em Iraquara, onde está localizada a Fazenda Pratinha, a atração maior é a caverna que possui cerca de 120 metros de cumprimento, formada por águas azuis. Outra opção é o passeio de tirolesa.

Ao entardecer partimos direto para o hotel, onde, mais uma vez, tomamos um belo banho na piscina para relaxar, afinal, os passeios foram cansativos, e o dia seguinte prometia bastante.

As sessões de fotos não paravam, parecia até que íamos concorrer ao prêmio do Guines Book (livro dos recordes) por conta da quantidade de fotos tiradas. Sem dúvida, venceríamos sem a menor dificuldade.

No dia seguinte, outro ponto turístico estava a nossa espera: o Morro do Pai Inácio, que fica a 1.250 metros de altitude onde de lá, se pode ver o lindo pôr do sol e outros morros da região. Nessa visita, um problema de contusão, o famigerado calcâneo – esporão -, fez com que eu não subisse até o morro e ficasse pelo caminho.

A noite, saímos para jantar nas pequenas e estreitas ruas de Lençóis. Depois, fomos para um merecido repouso no Terra de Diamantes. Como a subida era longa, o hotel nos ofereceu um transporte para nos conduzir, como estávamos muito cansados, seria complicado subir a pé.

Deixamos a cidade de Lençóis por volta das 09h30 do domingo, com saudades no peito daquele belissimo lugar, mas com a certeza que em breve voltaremos, se Deus assim nos permitir.

Seguimos viagem e fizemos uma parada na bela cidade de Feira de Santana, onde almoçamos para depois seguir rumo à Propriá, onde uma saborosa sopa nos esperava.

Embarcamos mais uma vez, e a agora, o destino final era voltar para a cidade de Messias, mas antes, como de costume, não podia faltar as famosas resenhas de todas as viagens. Roberto Júnior, - contando com meu auxílio, de Elkiane Matias e do bem humorado Almir Rego -; já se tornou o 'locutor oficial' para contar sobre as cenas pitorescas da viagem, ou seja, os famosos 'micos' que passamos em Lençóis. A propósito, esse tem sido sempre o momento de lazer e descontração, afinal, depois de uma longa e cansativa viagem, nada melhor do que uma boa dose de humor para alegrar a rapaziada.

As atrações da viagem ficaram por conta de dona Simone pela sua superação, coragem e persistência em enfrentar os desafios; de dona Suzete por ter também enfrentado os difíceis caminhos dos locais em que percorremos, e a linda, simpática, carismática e bastante inteligente Thaylla, uma doçura de menina de apenas quatro anos de idade.

Uma viagem tranquila, descontraída, com muito humor, bate papo e muita irmandade e descontração. Foram três dias bem puxados, que exigiu muito de cada um de nós, mas valeu a pena pelo prazer de curtir a natureza de perto, conhecer várias pessoas e fazer novos amigos. Foi muito gratificante vencermos novos desafios. Até a próxima, se Deus assim nos permitir!

Galeria de Fotos


Viagem - Chapada

Comentários