Inacreditável

Justiça nega prisão de piloto filmado agredindo advogada em Goiânia

Na decisão, juíza diz que infração é ‘repugnante’, mas elementos são ‘insuficientes’ para prisão de Victor Junqueira

POR: G1
Agressor apagou o perfil em todas as redes sociais
Reprodução/redes sociais/Reprodução Youtube

A Justiça de Goiás negou o pedido de prisão do piloto Victor Augusto do Amaral Junqueira, de 24 anos, filmado agredindo a então namorada, a advogada Luciana Sinzimbra, de 26, em Goiânia. No documento, a juíza Ítala Colnaghi Bonassini da Silva diz que, por mais que a infração seja “repugnante”, elementos são “insuficientes” para a prisão. Magistrada estabeleceu cinco medidas protetivas em favor da advogada.

O advogado de Victor Junqueira, Romero Ferraz, informou ao G1, às 12h27 desta sexta-feira (4), que teve acesso ao documento há pouco tempo e, assim que tomasse conhecimento do teor do mesmo iria divulgar uma nota.

Na decisão, expedida na quinta-feira (3) pelo Plantão Forense, a juíza diz que a prisão cautelar só deve ocorrer quando há a comprovação de possibilidade de reiteração do crime ou de descumprimento de medidas cautelares o que, segundo a magistrada, não se apresenta neste caso.

“Por mais repugnante que seja a infração em tese cometida, e por mais que haja farta demonstração de autoria na pessoa do agente, tais elementos são insuficientes para justificar a sua segregação cautelar, já que a prisão antes da condenação não pode servir como instrumento de antecipação de eventual pena, nem de escudo social contra a presunção de potencialidade delitiva do indivíduo”, escreve.

A agressão foi filmada pela própria vítima no dia 14 de dezembro no apartamento em que Luciana mora. Victor, que é filho do ex-prefeito de Anápolis, Eurípides Junqueira, senta em frente à companheira e dá um forte tapa no rosto dela, que cai na cama. Ela pede várias vezes para que ele vá embora, mas ele se recusa.

De acordo com a delegada Ana Elisa Gomes Martins, da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam), o homem compareceu à delegacia acompanhado de um advogado, mas ficou em silêncio durante todo o tempo. A investigadora revelou que os dois estão juntos há 3 anos, mas que ele nunca havia sido denunciado antes.

“Você não consegue acreditar que aquela pessoa que você passou três anos, que você conviveu e fez planos, vai te fazer mal, que ela vai chegar ao ponto de te matar ou de te agredir como ele me agrediu”, afirmou Luciana.

Na decisão, a juíza estabeleceu cinco medidas cautelares que segundo ela, são “mais adequadas”. E afirmou que, caso Victor Junqueira descumpra qualquer uma delas, pode ter a prisão cautelar decretada.

  1.  Proibição de mudar de domicílio sem comunicar o juízo previamente
  2. Proibição de sair da comarca onde mora, sem autorização judicial
  3. Cumprir as intimações da Justiça e polícia
  4. Comparecer de 20 em 20 dias à Justiça para informar atividades
  5. Proibição de sair do país, devendo entregar o passaporte 24h após a intimação;
Advogada Agressão contra mulher elementos insuficientes justiça pedido de prisão negado Violência contra a Mulher

Veja Também

Comentários