MEIO AMBIENTE

Amazônia terá novo fundo internacional anunciado em Belém, em novembro

Ministro reuniu-se com ONGs nos EUA

POR: Poder 360
Ministério do Meio Ambiente, comandando por Ricardo Salles, ainda não divulgou o plano de aplicação dos recursos
Pedro Santiago

O ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) teve reuniões em Washington nos últimos dias e acertou o lançamento de 1 grande fundo de investimentos para a Amazônia que será formalmente detalhado num evento de 8 a 10 de novembro de 2019, em Belém, no Pará.

Será num encontro que está sendo chamado de Cúpula da Bioeconomia (não confundir com o 3º Global Bioeconomy Summit, que será realizado em Berlim, em 2020). O encontro brasileiro terá uma abordagem de negócios e conta com o apoio do governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), que será o anfitrião do evento.

A ideia é que cerca de 150 CEOs de grandes empresas estrangeiras e do Brasil se apresentem em Belém para demonstrar como é possível conversar e também desenvolver a região Amazônica.

Não está claro ainda o volume de recursos que serão destinados ao fundo para a Amazônia. Salles acredita que serão centenas de milhões de dólares. A arquitetura será montada com a assessoria do Banco Interamericano de Desenvolvimento. O ministro se reuniu em Washington com o presidente do BID, Luis Alberto Moreno.

Segundo estimativas preliminares, a ideia é ter tudo pronto ainda em 2019 para que o dinheiro possa começar a ser aportado.

A visita do ministro aos EUA, que prossegue neste sábado (21.set.2019) em Nova York, teve como principal objetivo esclarecer para importantes atores internacionais o que pensa o governo de Jair Bolsonaro sobre a Amazônia.

O Palácio do Planalto acredita que o discurso de proteção ambiental abduziu completamente as possibilidades de propor algum modelo de desenvolvimento para a Amazônia, pois no imaginário de outros países o que conta é apenas deixar a região intocada e sem nenhuma intervenção humana.

O mais relevante, no entanto, tem sido a tentativa do ministro para explicar suas propostas e dizer a representantes de fundações, ONGs e entidades científicas que o governo Bolsonaro não quer devastar a Amazônia, mas que deseja encontrar 1 modelo de desenvolvimento para a região.

Nesse sentido, segundo apurou o Poder360, a reunião mais importante que Salles teve em Washington foi com 11 importantes “players” no debate sobre conservação da Amazônia. “Foi uma conversa substantiva e potencialmente produtiva”, disse 1 dos presentes, na condição de seu nome não ser identificado.

Eis a lista dos participantes:

Andrew Steer – president e CEO do World Resources Institute

Mark Plotkin – diretor-executivo do Amazon Conservation Team

Janet Chernela – professora da University of Maryland, no Departamento de Antropologia e Centro de Estudos Latino-Americanos

Muttulingam A. Sanjayan – CEO da Conservation International

Frank Hawkins – diretor do International Union for Conservation of Nature (IUCN-USA)

Tom Lovejoy – pesquisador sênior da Fundação das Nações Unidas

Anthony Harrington – presidente do Conselho Diretor do Albright Stonebridge Group

Monica de Bolle – diretora do Programa de Estudos Latino Americanos da Johns Hopkins University

Douglas Morton – diretor do Biospheric Sciences Laboratory, na Nasa

Valerie Craig – cientista da National Geographic Society

Andrew Deutz – diretor de Políticas Globais, Instituições e Finanças para Conservação da Nature Conservancy

O encontro foi no Wilson Center, renomado think tank que estuda políticas públicas. Pelo Wilson Center, participaram Paulo Sotero (diretor Wilson Center Brazil Institute), Anders Beal, Anna Prusa e Lara Picanço.

Amazônia Brasil investimento Ministro

Veja Também

Comentários