REDES SOCIAIS

Twitter vira campo de batalha entre Eduardo Bolsonaro e Joice Hasselmann

Hashtag #DeixeDeSeguirAPepa foi encampada pelos bolsonaristas para enfraquecer a ex-líder do governo, que respondeu aos ataques e até chamou o filho do presidente de "moleque inconsequente"

POR: Huffpost
Eduardo Bolsonaro posta foto com rosto de Joice em cédula de R$ 3
Reprodução / Twitter

As redes sociais que ajudaram a eleger Jair Bolsonaro e boa parte de seu núcleo político agora servem de ringue para a guerra que se instaurou no PSL. Antes aliados, o filho 03 do presidente, Eduardo, e a ex-líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann, trocam ironias e agressões e ampliam ainda mais o clima de tensão. 

A hashtag #DeixeDeSeguirAPepa ocupou por todo o sábado (19) os primeiros lugares na lista de trending topics no Twitter em referência à deputada que se tornou adversária dos bolsonaristas. Uma tentativa de desgastar a antiga aliada.

Chamada de “traidora”, “falsa”, entre outras coisas, Joice Hasselmann respondeu alguns comentários, especialmente aqueles que vinham de Eduardo, mas também do grupo que agora é ligado ao presidente Jair Bolsonaro. Em um post no Facebook, elevou o tom ao máximo e chegou a chamou o 03 de “moleque inconsequente”. 

Até quinta (17) líder do governo no Congresso, a parlamentar soube de sua destituição do cargo pelo noticiário. Mas caiu atirando. Chamou o presidente de “ingrato” e o filho 03 de “menino” que só consegue as coisas ”às sombras do pai”. 

Em entrevistas entre quinta e sexta, afirmou que a maturidade emocional de Jair Bolsonaro é “menos 20”. Criticou o mandatário também por ter se envolvido pessoalmente numa disputa partidária, afirmando que isso o minimiza. 

A resposta não tardou. Do lado pesselista que defende Bolsonaro, logo se tratou de fazer uma nota de R$ 3, uma ironia ao caráter de Joice Hasselmann. A imagem foi usada por Eduardo Bolsonaro. 

Campo de batalha 

A disputa interna no PSL tem ocupado o noticiário e aberto vários capítulos em uma novela que promete ainda, pelo menos, algumas semanas de acontecimentos. 

Desde que teve início público, semana passada, com o vídeo em que Jair Bolsonaro diz que o presidente do partido, Luciano Bivar, “está queimado pra caramba”, o racha na legenda tem dado sinais de que não tem espaço para reconciliação. 

Há retaliações por todos os lados, e a retirada de Joice da liderança do governo, foi apenas uma delas. 

Do lado do grupo que apoia Bivar, até o momento com o comando do PSL, tem-se retirado parlamentares de comissões e cargos. Na sexta (18), cinco deputados bolsonaristas foram suspensos de suas atividades parlamentares: Carla Zambelli (SP), Alê Silva (MG), Filipe Barros (PR), Carlos Jordy (RJ) e Bibo Nunes (RJ). 

Para a semana, a Executiva Nacional espera conseguir retirar das mãos de dois filhos de Jair Bolsonaro, Flávio e Eduardo, os diretórios estaduais, respectivamente, do Rio de Janeiro e de São Paulo. 

Em contrapartida, na última semana, viu-se uma corrida para tentar colocar Eduardo Bolsonaro no lugar do Delegado Waldir (GO) na liderança do PSL na Câmara. O grupo não desistiu. Voltará a apresentar a mesma lista, agora com as assinaturas corretas - ao conferir as rubricas dos deputados, a Secretaria Geral da Mesa da Casa notou que pelo menos uma, da deputada Bia Kicis, fiel escudeira do presidente, não batia com o que está registrado nos documentos oficiais. 

Além disso, há ameaça de ações judiciais que podem expor feridas na legenda. Controlado por Bivar desde 1994, o PSL era um partido nanico até o boom trazido com a onda bolsonarista, quando viu os cofres da legenda multiplicarem de tamanho - em quatro anos, saltaram de R$ 39 milhões (recebidos entre 2015 e 2018), para R$ 737 milhões (previsão de 2019 a 2022). 

Nos bastidores, diz-se que por trás de toda a briga está uma luta pelo comando do partido. Bivar não quer abrir mão da legenda que criou e dirige há 25 anos. Bolsonaro, por sua vez, que mandar no dinheiro que sua popularidade ajudou a levar aos cofres. Quer ter o poder de ele próprio indicar os nomes que acha melhor para as prefeituras das capitais no ano que vem. Uma briga de poder. Mais uma.

 

 

Bolsonaro Brasil disputa psl Twitter

Veja Também

Comentários