decisão

STJ suspende pagamento de advogados com recursos do Fundef em AL

Escritórios de advocacia em AL receberam irregularmente valores de precatórios devidos pela União

POR: 7Segundos , Assessorias e Agência Brasil
Decisão é do Superior Tribunal de Justiça (STJ)
Reprodução

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio de Noronha, decidiu nesta terça-feira (24) suspender o pagamento de honorários advocatícios com recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e Valorização do Magistério (Fundef), atual Fundeb.

Escritórios de advocacia em Alagoas receberam irregularmente valores de precatórios devidos pela União a nove cidades do Estado em virtude de cálculos errados nos repasses entre 1998 e 2006. O passivo com os estados chega a R$ 91,6 bilhões, de acordo com informações do Tribunal de Contas da União (TCU)

A decisão de Noronha foi proferida a partir de uma liminar solicitada pela Advocacia-Geral da União (AGU) para impedir o pagamento. No recurso, a União sustentou que o tribunal já definiu que verbas do Fundef só podem ser utilizadas na manutenção da educação básica.

Na decisão, o presidente do STJ concordou com os argumentos e entendeu que o pagamento deve ser suspenso até que a Primeira Turma do tribunal analise o caso, a partir de fevereiro, após o período de recesso.

A fiscalização do TCU em Alagoas flagrou também a contratação dos escritórios de advocacia sem licitação pública, o que torna nulos os contratos assinados.

Além de Alagoas, a auditoria do TCU ocorreu em mais 11 estados: Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Bahia, Pará, Amazonas e Minas Gerais.

Os seguintes municípios em Alagoas, utilizaram recursos dos precatórios do Fundef em Alagoas: Capela, Messias, Rio Largo, Teotônio Vilela, Arapiraca, Boca da Mata, Estrela de Alagoas, Feira Grande e Traipu.

advogados Alagoas Decisão Fundef pagamentos

Veja Também

Comentários